Sentimento Crônico

Cheio de prosa! Poesia, vide verso!

Textos

Este ano vai ter Copa da Fifa no Brasil, sim!

O evento é um show de entretenimento esportivo que é promovido pela FIFA, portanto ela é a maior beneficiária e não teria sentido que não fosse.

Como sempre, o governo do país sede é o fiador do evento, posto que é ele que garante (POR CONTRATO!!!) que a infraestrutura estará pronta e funcionando a tempo e a hora, no modo e nas condições necessárias.

Os protagonistas do show são os atletas, funcionários altamente remunerados e que são, também, as "mercadorias" de clubes milionários que não prescindem da vitrine que os coloca em exposição no globalizado mercado da bola.

As cores e brasões dos selecionados nacionais dos diversos países são os pretextos para arregimentar o público consumidor, porque essas entidades, enfim, são as que dão sustentação e motivo de existência da própria FIFA.

Os patrocinadores privados embarcam de contrapeso para que tenham a chance de divulgar seus produtos e marcas por todos os cantos do planeta, não sendo de se estranhar que uma camisa da Nike seja vista em alguma caverna no Afeganistão, ou que um Big Mack seja degustado em algum canto China.

Não se pode esquecer dos intermediários da indústria do entretenimento que se espalham pelas mídias escritas, faladas e televisadas. Sejam sob o pretexto jornalístico ou sob a assumida condição de retransmissores do espetáculo, sustentam os ganhos de uma multidão incontável de profissionais e empresários.

Os torcedores são os que pagam boa parte da conta de tudo isso, em troca de alimentar seus sonhos ufanistas e para viver o delírio catártico de participarem das batalhas que se travam em campo.

Porém, há uma cota razoável do custo dessa festança que é suportado pelo bolso dos contribuintes do país sede, torcedores ou não, que alimentam os recursos públicos do governo que é fiador do evento. Melhor para os demais que ganham com tudo isso, porque os lucros bilionários que se acumulam não são repartidos com esses "patrocinadores compulsórios".

Em paralelo e por debaixo dos panos, há uma indústria de corrupção que embute nos custos as propinas e vantagens divididas entre empreiteiras, fornecedores de materiais e serviços, funcionários de alto escalão e políticos.

O Brasil trouxe algumas novidades para o evento, desta vez. Será uma Copa como nunca antes se viu.

Há os descontentes que querem protestar e que se recusam a ficar fora da festa. Boa parte deles, por ser legítima sua indignação, lutam pelo direito de alardearem que não se conformam com a inversão de valores que representa o investimento público em festins luxuosos enquanto serviços públicos ficam relegados a serem lorotas de campanhas eleitorais.

Por fim, há uma parte de infiltrados nessa turma dos descontentes, que quer a baderna pela baderna ou a violência como fator desestabilizador social.

São protagonistas demais nesta pantomima surreal que acolhe essa trama de cupidez, paixão, traição e batalhas, jamais concebida nem nos melhores momentos de Shakespeare e, por certo, haverá Copa da Fifa no Brasil, sim!

O vencedor do torneio, quando tudo chegar ao fim, é um mero detalhe que poderá, ou não, dar início a uma nova trama que será encenada em torno das urnas em breve tempo.

Esperemos para ver!
Obed de Faria Junior
Enviado por Obed de Faria Junior em 20/02/2014
Alterado em 22/02/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de Obed de Faria Jr e o site: obed.zip.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras